A gente acredita em vampiros. Sim, mas não aqueles que se alimentam de sangue e sim da sua energia e da sua motivação. Também conhecidos como Vampiros Emocionais, essas criaturas estão mais próximas do que você imagina.

Alguma vez sua bateria estava 100% carregada, até que você encontrou alguém que só reclamou no seu ouvido, criticou a própria vida, a dos outros e até mesmo a sua? Pronto, bastam alguns minutinhos para sua bateria entrar no modo de economia de energia. Parece que a pessoa tirou com a mão as suas forças e os bons pensamentos e só deixou aquela negatividade impregnada em você.

Apesar do nome fantasioso, esse assunto é sério. Desde os anos 30 já existem relatos na psicologia sobre o parasitismo psíquico., o nome chique para os nossos vampirinhos emocionais. Por conta própria, a gente também gosta de chamá-los de dementadores. Tipo aquele do Harry Potter, sabe? Os dementadores se alimentam de felicidade humana, e, assim, causam, depressão e desespero para qualquer um perto deles. E você aí achando que nunca usaria Harry Potter na vida adulta, viu?

Tem tanto vampiro solto por aí, que existe até uma classificação pra eles, olha só:

Vampiro crítico

Criticar outras pessoas é seu esporte favorito! É escravo de um perfeccionismo eterno e provavelmente foi muito cobrado na infância, talvez essa seja uma das principais razões de apresentar esse comportamento.

Vampiro pessimista

Jura que é realista, mas na verdade é um medroso. É por isso que sempre busca ver o lado negativo de tudo. Em alguns casos é tão sério que a pessoa chega a se sabotar só pra dizer que tem razão.

Vampiro vítima

Luz na passarela que o centro das atenções chegou! Esse tipo de vampiro parece que vive numa olimpíada de quem tem o maior problema. Parece que o mundo inteiro está contra ele. Cuidado, esse tipo de pessoa costuma ser manipuladora com seu jeitinho de coitadinho.

Vampiro distante

Também conhecido como vampiro emo, ama se isolar pra chamar a atenção. Seja nas relações sociais, no trabalho, é aquela pessoa que gosta de testar se faz falta, sabe? Fuja para as colinas.

Vampiro bonzinho

Esse jura que não é vampiro, mas é. É aquele que está sempre pronto pra te ajudar, sempre disponível, pronto pra tudo. Porém, tudo o que ele faz é pensando em uma recompensa futura. Contudo, na hora da cobrança, os juros são altíssimos. É daqueles que gosta de jogar bem na sua cara!

Como lidar com os vampiros emocionais?

Sabe o que todos os vampiros emocionais têm em comum? Eles sempre acreditam que o problema são os outros e não com eles. Infelizmente a gente sabe que não podemos chegar aqui e dizer pra vocês: SE AFASTEM DE TODOS ESSES VAMPIROS JÁ! Por isso, preparamos algumas DICAS PARA VOCÊ FICAR BLINDADO. Prepara aí o kit com alho, a estaca de madeira e a bala de prata, vem!

  1. Seja filtro, e não esponja.

Os vampiros emocionais que mais nos afetam são aqueles que a gente não pode simplesmente dar um block na vida real. Pode ser um parente, um chefe, um colega de trabalho. Não tem como, você vai ter que lidar com ele. Por isso, a melhor forma de encarar isso é sendo filtro e não esponja.

Ninguém é 100% ruim, então, quando lidar com essas pessoas, foque nas coisas boas que ela faz e fala, fale com ela sobre isso, mostre o melhor dela sempre que possível. Ignore as coisas ruins o máximo que você conseguir, porque cá entre nós, você pode não ser um vampiro, mas também pode ter comportamentos que irritam e chateiam os outros.

2. Não tente ser tudo pra todo mundo.
Você não é responsável pela felicidade dos outros. É o nosso instinto querer ajudar e salvar todo mundo, mas é como já dizia Ed Sheeran, antes de salvar outra pessoa, você precisa se salvar. E isso não é egoísmo, é se colocar como protagonista e como a pessoa mais importante da sua vida.

Foque os seus esforços em quem realmente levantou a bandeira pedindo ajuda e não em quem não faz nada pra mudar a situação em que se encontra. Não gaste energia com o que não precisa. Se a própria pessoa não quer se ajudar, não tem Padre Fábio de Melo ou Augusto Cury que resolva. Ah, falando em Padre Fabio de Melo, ele mesmo já falou sobre isso, ó:

3. Cuide com quem você divide a sua vida.

É triste, mas às vezes até os familiares ou amigos próximos podem ser esse tipo de vampiro que enxergam o lado ruim de qualquer projeto ou plano seu. Se esse for o seu caso, compartilhe o mínimo possível ou só depois que você já tiver tudo estruturado.

Algumas pessoas têm muita dificuldade de lidar com a felicidade e com as conquistas alheias, então, não fique testando e ostentando as suas vitórias. Lembre-se de falar apenas o essencial, caso contrário você pode cair na armadilha do vampiro, acabar desistindo dos seus planos e se achar um impostor apenas por causa do que as pessoas te falam.

4. Ame

Sim, só isso mesmo. Às vezes o seu vampiro é alguém que você ama. Namorada, namorado, pai, tia, melhor amigo. Não se esqueça de que na maioria dos casos, o vampiro só suga por carência. Por isso é essencial deixar claro o quanto a gente ama e tem apreço por essa pessoa. Abrace, diga que ama, olhe nos olhos, diga que ela é importante. Assim você dá o amor antes mesmo da pessoa tentar roubá-lo de você.

5. Avalie se não é você o próprio vampiro da vida de alguém (ou da sua vida).
Aposto que você pensou em várias pessoas diferentes ao longo desse texto, né? “Nossa, é verdade, meu chefe consome minhas energias só de estar no mesmo ambiente”, ou “É, aquela minha tia é exatamente esse tipo de pessoa”. Mas já parou pra pensar se você também não está sendo um aprendiz de Edward Cullen? Quando você encontra aquelas amigas que pode se abrir 100% e só fala das coisas ruins da sua vida, ou quando você adota a postura de pensar “isso não vai dar certo, eu não sou boa o suficiente”.

Tudo bem a gente ser assim de vez em quando. Ninguém aqui é Pollyana que nunca mais vai falar mal de ninguém ou conseguir ver as coisas boas em todos os acontecimentos. Porém, podemos sempre estar atentos e investir na nossa inteligência emocional.

Pra terminar, cole esta frase na sua testa, num post it ou só lembre de vez em quando:

Vigie seus pensamentos, porque eles tornam-se palavras. Vigie suas palavras, elas tornam-se ações. Vigie suas ações, elas tornam-se hábitos. Vigie seus hábitos, eles formam seu caráter. Vigie seu caráter, ele se torna seu destino. – Frank Outlaw

É isto!

Quer ver esse conteúdo em vídeo? Clique aqui!

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Menu